Publicado em Deixe um comentário

Educadora Tonia Casarin fala sobre o o erro no TEDx Youth, na Holanda

Imagem de Tonia em cima do palco, olhando para a platéia, enquanto todos estão de pé

Neste ano, Tonia Casarin foi convidada pelo TEDx Youth para fazer uma palestra em Maastricht na Holanda. Ela fala sobre o erro! O título é “You are a work in progress”, ou “você é um projeto em progresso”, em tradução livre. No vídeo, ela explica como todo mundo é um projeto em andamento. E mostra também como a falha pode ajudar as pessoas no seu desenvolvimento e como o nosso cérebro também está constantemente evoluindo.  

LEIA MAIS: Educação mais humana: o que são competências socioemocionais?

Tonia Casarin: educação social e emocional 

Tonia é mestre em Educação pelo Teachers College na Universidade de Columbia em Nova York, Estados Unidos. Ela já atuou no setor público e privado e é professora de pós-graduação do Instituto Singularidades em São Paulo. Além disso, é empreendedora em Educação no Rio de Janeiro e autora do bestseller infantil Tenho Monstros na Barriga e do Tenho Mais Monstros na Barriga. Tonia levanta a bandeira da importância do desenvolvimento das competências socioemocionais para todas as idades. 

Ela também desenvolve projetos e produtos para para estimular o aprendizado social e emocional em crianças, jovens e adultos. “Com o desenvolvimento das tecnologias, nós precisamos ser mais humanos”, afirma. Como uma educadora e palestrante, o seu TEDX Talk em 2016 se transformou em uma metologia para os pais, e ela inclusive está escrevendo um livro sobre isso. 

OLHA SÓ: Tem uma conta Gmail? Curso online Competências Socioemocionais para Educadores oferece acesso ilimitado

O vídeo está em inglês, mas é só colocar a legenda em português! Olha só:

Publicado em Deixe um comentário

Educação mais humana: o que são competências socioemocionais?

Tonia Casarin posa para foto com o livro Tenho Monstros na Barriga, que aborda Inteligência Emocional e competências socioemocionais
Texto escrito por Tonia Casarin, CEO da Fireworks Education e autora do Tenho Monstros na Barriga

Imagine um mundo em que todos tivessem habilidade de se colocar no lugar do outro. Em que as pessoas pudessem lidar com as situações que provocam as emoções mais extremas. Um lugar onde todos conheçam a si mesmos, suas limitações e seus pontos fortes, que saibam lidar com as diferenças e que entendam e saibam se adaptar o contexto onde estão inseridos. Um mundo no qual as pessoas tenham iniciativa, confiem umas nas outras e que queiram ter sucesso na vida. Provavelmente, todos gostariam de viver em um lugar assim, apesar de muitas vezes essa realidade parecer muito distante.

Todas as aptidões descritas acima, que tornam o mundo tão especial, fazem parte de uma cesta de habilidades conhecidas como competências socioemocionais.

Mas, o que são competências socioemocionais?

As competências socioemocionais incluem a capacidade de cada um lidar com suas próprias emoções, desenvolver autoconhecimento, se relacionar com o outro, de ser capaz de colaborar, mediar conflitos e solucionar problemas. Elas são utilizadas no nosso dia-a-dia de forma sistemática e integram todo o processo de formação de uma pessoa como um ser integral: como indivíduo, como profissional e como cidadão.

Para entender melhor o que são essas habilidades, veja a imagem abaixo:

Círculo mostrando importância das competências socioemocionais
Conectados entre espaços, os três círculos – Eu, Outro e Mundo – interagem em uma imensa, eterna e frequente relação

Essas competências foram estudadas com base em pesquisas nas áreas de Educação, Psicologia, Pedagogia e Andragogia, Neurociência, Economia e outras ciências. O interesse maior desse conjunto de conhecimento é a busca de soluções para preparar crianças e jovens para a vida.

No século 21, a interconectividade, a crescente complexidade das transformações sociais e tecnológicas, e a interação entre raças, gênero e religião, por exemplo, têm ampliado a relevância dessas competências para a realização no âmbito pessoal, de trabalho e social.

Como as socioemocionais apoiam no aprendizado de qualidade?

Pesquisas apontam que a aprendizagem socioemocional melhora os resultados acadêmicos; reduz conflitos e ajuda os alunos a desenvolverem o autocontrole; melhora as relações entre a escola e a comunidade; mantém o controle dentro da sala de aula; e ajuda os jovens a serem mais saudáveis e bem-sucedidos tanto na escola quanto na vida.

Os estudos também comprovam resultados em todos os anos escolares, contextos sociais e tipos de escolas. Os resultados mostram que 23% dos alunos apresentam melhoria em habilidades socioemocionais; 9% mudam de atitude frente à escola, família e outras pessoas de seu convívio; 9% melhoram o comportamento social; e 11% apresentam melhoria em testes acadêmicos.

Esses benefícios são acompanhados pela redução em 9% dos problemas de comportamento e 10%, em distúrbios emocionais. Além disso, os pesquisadores identificaram a redução de fatores de risco para a vida de uma criança, como a violência, o abuso de substâncias químicas ou a reprovação escolar.

Portanto, parece que desenvolver as competências socioemocionais é um caminho promissor para que a educação crie mais propósito e significado para os jovens, além de desenvolvê-los como indivíduos, profissionais e cidadãos, que vão constituir uma melhor sociedade.

Tonia Casarin é mestre em Educação pela Universidade de Columbia em Nova York, é Lemann Fellow e Global Salzburg Fellow. Empreendedora na área de educação, é educadora e palestrante, tendo feito um TEDx Talk em 2016. É professora de Pós Graduação no Singularidades, da PUC-Rio e autora do livro infantil “Tenho Monstros na Barriga” – que virou bestseller no Brasil – e do segundo livro “Tenho Mais Monstros na Barriga”, lançado em setembro de 2017. Foi vencedora do Global Impact Challenge no Brasil, prêmio da Singularity University em 2017. Saiba mais em www.toniacasarin.com.br.

Publicado em Deixe um comentário

“Habilidades socioemocionais precisam integrar o currículo da escola”

Tonia Casarin posa para foto com o livro Tenho Monstros na Barriga, que aborda Inteligência Emocional e competências socioemocionais
Tonia Casarin, CEO da Fireworks Education e autora do Tenho Monstros na Barriga

Como as escolas podem desenvolver competências socioemocionais como criatividade, inteligência emocional e mediação de conflitos? Trabalhar com essas competências desenvolve jovens para atuarem mais positivamente na sociedade e também a lidarem com questões que vivenciam atualmente na escola ou nas suas vidas pessoais. 

A repórter Tamíris Almeida, do Canal Futura, fez uma entrevista com Tonia Casarin, mestre em Educação pela Universidade de Columbia e uma das maiores especialistas brasileiras no tema. Selecionamos as melhores partes da entrevista: 

Futura: Qual a importância de saber lidar com emoções?

Tonia Casarin: As emoções são inerentes ao ser humano. Saber lidar com as emoções nos ajuda a entendermos melhor quem nós somos, como nos sentimos. É fundamental para que possamos tomar melhores decisões para as nossas vidas. Por exemplo, se eu sinto muito medo de andar de skate, eu consigo avaliar melhor os riscos de eu cair e poder decidir se eu tento ou não. Se eu estiver disposta a tentar, porque aprender a andar de skate é muito importante para mim, posso aprender a lidar com o medo e me sentir corajoso, porque quero muito andar de skate.

Futura: Como os educadores podem lidar com emoções das crianças? 

Tonia Casarin: Muitas vezes, as crianças não sabem expressar o que estão sentindo. Primeiro, os adultos, sejam parte da família ou os educadores, devem acolher as emoções das crianças. Aceitar que a emoção é humana e que “tudo bem” ela sentir raiva ou tristeza.

Outra forma é ajudar as crianças a nomear as emoções. Quando a criança estiver chorando, por exemplo, você pode falar com ela: “Você deve estar triste.” Essa simples frase ajuda a criança a entender o que está sentindo e a formar um vocabulário emocional, que ela usará no futuro para se expressar. Uma outra forma é os próprios adultos compartilharem com as crianças suas emoções. Falar com as crianças que você está com raiva ou alegre, é uma forma de mostrar para elas que naquele ambiente podemos expressar o que estamos sentindo.

Futura: Como a escola pode estimular o desenvolvimento de habilidades socioemocionais?

Tonia Casarin: A escola é um ambiente fértil para desenvolver as habilidades socioemocionais. Os professores são fundamentais nesse processo, pois são as pessoas que mais conhecem seus alunos. Muitos professores, em sua prática, já desenvolvem essas habilidades, mas precisam deixar explícito e integrar ao currículo da escola. Deixar explícito e declarado e desenhar intervenções e atividades cujo objetivo seja o desenvolvimento das competências socioemocionais é uma das formas que a escola pode trabalhar.

Matéria baseada na publicação “Habilidades socioemocionais precisam integrar o currículo da escola”, da repórter Tamíris Almeida, do Canal Futura. Leia a entrevista original e na íntegra clicando no link.