Publicado em Deixe um comentário

Por que os professores de São Paulo estão em greve?

Professores em greve segurando placa com escrito Quem se importa com os professores interrogação

Professores em greve: profissional com cara ensanguentada, sendo apoiada por um bombeiroNos últimos dois dias, os professores da rede municipal de São Paulo foram notícia na grande mídia pelos protestos realizados e a repressão violenta da polícia. Mas afinal, por que isso está acontecendo? Desde a última semana, professores de diversas escolas da cidade estão entrando em greve. O movimento é contra o projeto de reforma da previdência proposto pela Prefeitura de São Paulo.

Na última terça, o movimento ganhou força e quase metade (46%) das 1,5 mil escolas de administração direta da prefeitura ficaram totalmente paradas. Outras 47% tiveram suas atividades parcialmente paralisadas, segundo levantamento da própria secretaria de Educação da gestão Doria.

O que a reforma propõe

O texto da reforma, em trâmite na Câmara, prevê a elevação da contribuição previdenciária de 11% para 14%, além da instituição de contribuição suplementar vinculada ao salário do servidor. Assim, o desconto poderá chegar a 18,2%. A prefeitura defende que, sem a alteração, a sustentabilidade da previdência municipal é inviável.

Um projeto de lei de mudança no sistema fora encaminhado à Câmara pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) em 2015. Após protestos, Haddad retirou o projeto em agosto de 2016, mas o reencaminhou no fim do seu mandato. Doria mandou em dezembro passado um novo texto ao projeto e pretende votar na próxima semana.

Por causa do projeto, o Sindsep (Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo) estima que 60% dos funcionários públicos municipais aderiram à greve –a entidade ainda faz um balanço das repartições fechadas na cidade. Segundo a própria gestão Doria, o funcionamento de 93% das escolas municipais foi afetado.

Matéria adaptada de Folha de S.Paulo e Valor Econômico