Publicado em Deixe um comentário

Aplicativo TutorMundi já tirou mais de 15 mil dúvidas de alunos da educação básica

Foto de um gripo de pessoas estudando com filtro amarelo e o texto "Essa já respondemos".

Problemas no aprendizado e dificuldades com matérias que envolvem exatas. Desejo de passar em uma universidade de ponta e pressão interna para tirar notas mais altas. Esses são alguns dos problemas que o estudante do Ensino Fundamental, Médio ou cursinho passa todos os dias na luta pelo sonho de ir bem na escola ou entrar na faculdade. A educação brasileira tem visto surgir cada vez mais opções que envolvem tecnologias que buscam ajudar esses estudantes. No entanto, dificilmente vemos algo que pedagogos, pais, professores e próprios alunos realmente precisam – ensino personalizado de qualidade.

LEIA MAIS: Quem é o professor do futuro e como a tecnologia pode apoiá-lo?

Atualmente, existem soluções que facilitam o acesso do aluno a conteúdos que antes eram restritos apenas a aulas de colégios particulares ou cursinhos muito caros. As videoaulas, por exemplo, contribuem muito com esse aprendizado. Mas quando surge uma dúvida específica, o aluno encontra novos obstáculos: aulas particulares caras; monitorias nos colégios ou no ensino a distância muito cheias; falta de tempo; custos altos de locomoção e alimentação e falta de suporte e estrutura.

Educação personalizada

Foi pensando nesse grande falta de ensino personalizado que existe hoje que Raphael Coelho, de 37 anos, criou a TutorMundi. Quando tinha 15 anos, estudava à noite em uma escola pública em Porto Alegre e não enxergava muitos caminhos para alcançar seus objetivos. Estudar era apenas parte da rotina e entrar na universidade era uma ideia muito distante. Até que um dia conheceu Carlos, um colega muito estudioso que o ajudou como tutor dando suporte em algumas matérias como matemática, física e química, mostrando como o estudo poderia  ser transformador.

FOtografia de seis membros da TutorMundi
Equipe da TutorMundi (Divulgação)

VEJA TAMBÉM: Como a tecnologia pode colaborar por uma educação mais inclusiva

20 anos depois, após ter morado em 6 países e passado por duas grandes empresas multinacionais, Raphael resgatou essa experiência transformadora a e fundou o TutorMundi. O foco era simples: ter um aplicativo em que o aluno pudesse estudar da melhor maneira possível. E, principalmente, com a atenção dedicada de alguém, assim como o Carlos e o ajudou quando estudava no colégio. O funcionamento é simples: o aluno faz o cadastro no app, escolhe a matéria que teria dúvidas, tirar uma foto da questão e chamar um tutor, que o responderia em menos de 5 minutos.

Foto de um gripo de pessoas estudando com filtro amarelo e o texto "Essa já respondemos".

O TutorMundi

O que parecia um cenário distante logo se tornou realidade. Dois anos depois da sua criação, o TutorMundi já tem cerca de 2 mil tutores das universidades mais concorridas do Brasil, como ITA, USP, UFRJ, IME, entre outras. Os tutores passam por um processo rigoroso de avaliação e treinamento didático e comportamental. Já são quase 16.000 mensagens trocadas sobre dúvidas de diferentes disciplinas entre tutores e alunos. Além disso, foram fechadas parcerias importantes com escolas de grades redes como SEBCOC, Educação Adventista, Curso e Colégio Energia entre outros.

Os números continuam sendo positivos. 67% dos alunos que usaram a plataforma nos últimos dois anos afirmam que ela melhorou seu desempenho nos estudos. Grande parte dessa melhoria vem em matérias que apresentam números baixos no IDEB, como Matemática e Português. Só no último ano, 40% das dúvidas respondidas pelos tutores vieram das duas disciplinas que precisam cada vez mais de melhorias nos sistemas de avaliação brasileiros. Assim, contribuindo com a revolução na forma como elas são aprendidas pelos alunos. Acesse o site do TutorMundi para saber mais sobre o aplicativo e seu impacto na educação brasileira.

Publicado em Deixe um comentário

Professores bilíngues: ambiente virtual oferece educação personalizada

Imagem de uma mesa de trabalho, com três notebooks, cadernos, canetas e fios, e cinco mãos unidas, com os punhos fechados
(Pixabay)

O ensino bilíngue é uma das tendências da educação nos próximos anos. Diversas pesquisas apontam que viveremos em uma sociedade cada vez mais globalizada. Ela demandará pessoas e profissionais que tenham a habilidade de se comunicar e colaborar com pessoas de outras culturas e países.

No último mês, a International School, empresa de soluções de educação que fornece conteúdo e metodologia de ensino bilíngue para 169 escolas e mais de 45 mil alunos, fez uma parceria com o Canvas, uma das principais plataformas virtuais de aprendizagem do mundo.

Educação personalizada 

O Canvas permite uma customização da plataforma e uma educação mais dinâmica e conectada. Ela promove um engajamento maior dentro da sala de aula. Além disso, desenvolve uma educação com mais sentido e mais próxima. De acordo com Lars Janér, diretor da Instructure para a América Latina, essa é uma plataforma de código aberto especialmente criada para facilitar a vida dos alunos e professores. Com um software intuitivo e que permite maior liberdade de personalizar os conteúdos.

“Procuramos ajudar as instituições a treinar seus professores, capacitar os times internos de treinamento para que todos possam se familiarizar com o ambiente e oferecer recursos multiformato como áudio, vídeo e videoconferência, ferramentas para correção e livestreams, entre outros”, conta Janér. A International School utiliza o Canvas em seu programa de formação continuada para mais de 600 educadores. São 45 horas de formação online e aulas complementares ao longo do ano. Saiba mais sobre a plataforma no site.