Kailo leva educação com base na antroposofia para educadores públicos de município cearense

Fotografia de trinta membros de uma formação unidos, sorrindo, em um jardim, para a foto.

Buscar relações mais humanas e saudáveis, visando sempre o protagonismo consciente é um dos focos dos projetos que o Caindo no Brasil busca. Há alguns anos, acompanhamos a Kailo, uma organização que trabalha com aprendizado para adultos. A missão deles é simples: desenvolver pessoas para que, assim, os projetos e as organizações possam se desenvolver também. E não ao contrário. No ano passado, eles tiveram a primeira experiência com desenvolvimento de professores em uma rede municipal do Ceará.

SAIBA MAIS: Formação de facilitadores em SP promove imersão mão na massa

Eles trazem conteúdos da antropofilosofia. É uma ciência que estuda os ser humano e que tem como conceito básico o seguinte: todas as pessoas têm pensamentos, sentimentos e ações. No entanto, há pessoas mais estrategistas e reflexivas, e outras mais ativas, que focam no agir e no fazer. Cada característica tem prós e contras e, por isso, o melhor caminho é o meio termo. Dentro disso, o ideal é colocar um fator muito importante: os sentimentos. Esse é um terceiro pilar que nos mostra não apenas o que vamos fazer e o porque vamos fazer, mas sim o como vamos fazer.

Para isso, é necessário traçar um perfil, ter autoconhecimento e aprender como o mundo gira para cada ser humano. E, assim, dentro de um grupo, pegar esse conhecimento e aproveitar as diferenças de cada um, resultando em uma equipe mais completa. Esse autoconhecimento é ideal para o desenvolvimento dos pontos fortes e fracos dos indivíduos. Ele se ajusta com cada interlocutor e lidando melhor com as questões da vida a partir dessas observações.

Jornada de facilitação

Fotografia de seis grupos compostos por quatro pessoas sentados em mesas na área externa de uma casa. Eles estão conversando e realizando uma atividade.

VEJA TAMBÉM: Como as meninas conquistaram o respeito na minha escola

Dentro disso, temos os caminhos da aprendizagem: o da instrução e o da descoberta. O primeiro é mais conteudista, parecido com a escola tradicional. O segundo é onde você coloca a mão na massa, cria e faz a prática. Para uma boa formação de facilitador, precisamos de ambos. A Kailo atua com organizações de todos os setores: público, privado e 3º setor de diversos portes e segmentos. Dentro disso, eles têm três vertentes:

Aprendizagem, que busca criar experiências para que os participantes se desenvolvam como líderes diferenciados. Isso se dá em diferentes formatos, como encontros e programas de desenvolvimento que incluem: palestras; workshops; team building e integrações; formações sequenciais in company; formação de facilitadores e formação de coach.

Facilitação de processos participativos, que busca facilitar grupos e estimular a inteligência coletiva, gerando resultado através da oportunidade de engajamento de cada participante. Isso é possível com planejamento estratégico; criação de novos projetos; reestruturação de processos; convenções; entre outros, sempre através de diferentes metodologias, como aquário, trios apreciativos, Proaction cafe, etc.

Autodesenvolvimento, que visa que o participante se desenvolva a partir do apoio estruturado do processo de coaching ou mentoria.

Desenvolvimento da Kailo

A Kailo é liderada pela Paula Manzotti Scramin. Formada em administração de empresas, ela trabalhou durante 8 anos no setor corporativo em banco de crédito, indústria farmacêutica e varejo de moda. Depois de muitos aprendizados, ela sentiu que seu desenvolvimento nesse mundo não estava satisfatório. Assim, ela entendeu que queria fazer outra coisa e, especialmente, de outra forma, alinhando seu trabalho com seus valores pessoais.

Foi assim que ela percebeu que gostava mesmo de desenvolvimento de pessoas. Após 8 meses mal sucedidos buscando outro trabalho, ela decidiu pedir demissão do seu emprego. Logo depois, ela foi convidada para fazer uma formação sobre conversa significativa e, logo em seguida, convidada para ser voluntária em um World Café. Dentre os 30 participantes, ela teve a oportunidade de conhecer seus três futuros sócios. Depois de quatro meses deste encontro, a parceria foi oficializada e ela entrou como a quarta sócia da Kailo – que, na época, tinha apenas 1 ano de vida. Assim, durante esse período, ela começou a sua segunda formação, a Germinar, uma formação de facilitadores completa. Com o passar do tempo, cada um foi tomando o seu rumo na vida, e hoje, quem toca o projeto é a Paula.

“Nesses 5 anos eu aprendi muito sobre facilitação. E no meio de tudo isso houve a crise de 2016, que pegou todo mundo de repente. Então, o primeiro corte de gasto das empresas foi o treinamento, e consequentemente, nós não conseguimos vender para empresas. Foi assim que surgiu a idéia de abrir a formação de facilitadores, um produto que era oferecido exclusivamente para grupos prontos”. A ideia foi um completo sucesso e solidificou ainda mais o projeto da Kailo. Afinal, uma das suas principais bandeiras é justamente deselitizar o conhecimento. Inclusive, eles propõem um preço justo, trabalhando com economia solidária, para que todos os participantes dessa jornada sejam beneficiados, os facilitadores e os professores.

A partir disso, no ano seguinte, muitas pessoas se interessaram por um módulo mais aprofundado. Por isso, eles criaram uma jornada de facilitação com os módulos 2, 3 e 4, dando continuidade ao curso inicial, o módulo 1. Assim, a formação tinha uma duração de 6 meses, com 1 encontro de dois dias a cada 2 meses, oferecendo um desenvolvimento mais completo.

Fotografia de cinco grupos de quatro pessoas cada, sentados em mesas em uma sala bem ampla. Eles estão conversando e realizando uma atividade.

Experiência: facilitação e educação

Nessa expansão para pessoas físicas, um dos inscritos foi o Secretário de Educação e Cultura de Cruz, uma cidade no interior do Ceará. No curso, ele abriu sua apresentação falando que veio de uma família muito pobre, que seu irmão é analfabeto e que sua missão é investir todo o conhecimento do curso para a sua cidade e sua equipe, que contavam com mil pessoas e cem educadores.

E TAMBÉM: O que faz de Horizonte, Ceará, a cidade educadora do Nordeste

“Depois dessa experiência, ele nos convidou para aplicar os nossos conhecimentos lá”, conta Paula. Assim, eles fizeram 3 workshops, cada turma com 30 pessoas. “Foi um intensivo desses seis meses em um dia. Todo o processo foi muito incrível e orgânico. Especialmente porque ele já tinha levado muito do conhecimento para Cruz, o que tornou todo o processo muito mais fácil e rápido, pois a turma já tinha entrado em contato com muitos conhecimentos, referências e experiências”.

O curso se espalhou e teve uma grande repercussão. “Foi assim que eu decidi que queria trabalhar com educação”, conta Paula. “Eu falo a língua do mundo corporativo, mas eu tenho essa paixão. E dentro da Kailo isso se desenvolve cada vez mais, levando esse conhecimento para professores e educadores, fazendo a facilitação se multiplicar dentro desse meio”.

Engajamento da família ainda é desafio

Assim, o curso se abriu cada vez mais para a rede de educação. Uma dúvida frequente dos educadores, por exemplo, é o engajamento da família. Apesar das diferentes realidades de cada lugar, a essência é a mesma, pois o cerne da questão é como você envolve as pessoas. E isso serve para todas as situações. Dentro da sala de aula e no ambiente escolar como um todo. E dentro disso, a principal ideia é: você não motiva ninguém, você cria condições para que a pessoa se motive. E tudo isso se faz com um espaço positivo de diálogo.

Próximos passos

A Kailo forma facilitadores que não tem necessariamente as respostas. Então, ele pode sim ter esse chapéu de consultor, que leva algum conteúdo ou ferramenta interessante. Mas seu objetivo é que o grupo se apoie nessa ferramenta e seja protagonista de todo o processo. Ou seja, o facilitador cria um espaço de diálogo para que aquele grupo, juntando a inteligência de todos, possa, primeiro, chegar no diagnóstico do problema, para depois construir as soluções.

As formações já aconteceram em São Paulo e no Rio de Janeiro, havendo continuidade do primeiro módulo em ambas as cidades. Há também interesse em outros locais, como Recife e Vitória. Se você quiser levar a formação para a sua cidade, acesse o site da Kailo.

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *