Fotografia de aproximadamente 25 jovens sentados no chão e em poltronas reunidos em grupo. No centro deles já uma mentora conversando com a turma.
Alunos participam do jogo “Se Vira” em que lidam com situações hipotéticas para exercitar o empreendedorismo (Reprodução/Revista Galileu – FOTO: MARCO SOBRAL/G.LAB)

Os jovens que estão conscientes do poder das suas vozes podem fazer uma grande diferença para impactar positivamente a sociedade. Eles precisam de atitude, empoderamento e da certeza que ideias inovadoras e empreendedoras são inspiradoras para um futuro promissor. Foi assim que os alunos das escolas onde a Fundação Telefônica Vivo promove o projeto ‘Pense Grande’ compartilharam as suas opiniões e experiências de protagonismo durante a 5ª edição do Educação 360 Jovem. O evento é uma realização de O GLOBO e Extra que aconteceu em maio, no Rio de Janeiro.

LEIA MAIS: Canal no Youtube Looking 4 Heroes aborda protagonismo do aluno e celular em sala de aula

O programa tem como meta capacitar jovens para serem protagonistas de suas escolhas futuras. Para isso, a iniciativa é apoiada em três pilares: empreendedorismo, tecnologia e comunidade. O projeto é facultativo nas escolas atendidas, e os alunos têm carga horária de 60 horas a cumprir. A partir da identificação da aspiração do jovem, ele começa a construir a ideia e transformá-la em produto ou serviço, recebendo orientações de um mentor na escola.

A sala de aula e a realidade dos jovens

Durante o evento Educação 360 Jovem, os estudantes trocaram ideias e falaram sobre suas experiências com o projeto. Eles falaram, principalmente, sobre a importância das aulas serem alinhadas à realidade e ao interesse dos jovens. Em um dos painéis, participaram Marcus Vinicius Oliveira de Souza, de 16 anos, da ETEC de Pirituba, São Paulo. “Do contrário, passamos a estudar por obrigação e não pela paixão, o que interfere no desempenho”, defendeu Marcus.

LEIA TAMBÉM: Livro reúne metodologias baseadas no protagonismo dos estudantes

Houve também a participação de Tamires de Jesus Costa, 17 anos, do Colégio Estadual Norma Ribeiro, Salvador (BA).A estudante Tamires deu um bom exemplo do que acontece em sua escola. A professora de inglês usa a tecnologia para despertar o interesse dos alunos. “Ela nos dá temas para produzirmos curtas-metragens com o celular. Assim, conseguimos aprender com mais facilidade o idioma, sem abrir mão de uma ferramenta tão presente na nossa vida”.

Durante os intervalos do Educação 360 Jovem, foram realizadas oficinas do jogo ‘Se Vira’. Elas fazem parte do ‘Pense Grande’ e buscava despertar nos participantes atitudes empreendedoras. A Fundação disponibiliza gratuitamente a metodologia do projeto que dá dicas que despertam os jovens e educadores para o tema do empreendedorismo e para tirarem do papel suas ideias e projetos.

Post com resumo e modificações produzidas pelo Caindo no Brasil da publicação “Quando o jovem é protagonista da mudança em sala de aula“, da reporter XXX para a Revista Educação. Leia a matéria original e na íntegra clicando no link.