A conferência “HUB19: Conexões para a educação do futuro” aconteceu em junho e reuniu 600 educadores para falar sobre inovação. Afinal, o cenário mundial da educação mudou muito e está cheio de tendencias que buscam preparar jovens para a vida. Ferramentas como metodologias ativas, ensino híbrido, bilinguismo e habilidades socioemocionais já são apontadas como um caminho eficaz para esse desenvolvimento. No entanto, essa aplicação nas escolas brasileiras ainda tem um longo caminho para percorrer.

Fotografia de uma participante do evento. Ela está de costas e escrevendo em uma lousa muito grande, cheia de outras frases.
(Divulgação)

LEIA MAIS: Inscrições abertas para 9ª Edição do Prêmio Professor Rubens Murillo Marques

Um dos motivos desse problema é a falta de formação dos professores para atuarem de acordo com essas inovações na sala de aula. Por isso, nos dias, 7 e 8 de junho, esses profissionais se reuniram para ter um contato prático sobre o assunto. No evento foi possível resgatar vivências e trabalhar o autoconhecimento (e reconhecimento) do papel que exercem para a sociedade.

Sobre o HUB19

Fotografia de um auditório no HUB19, com dezenas de participantes sentados na platéia e um grande painel com slides e escrito HUB, em roxo.
(Divulgação)

O HUB19 reuniu especialistas em neurociência, neuropediatria e saúde mental para debater sobre a importância do cuidado com o lado mental de toda a comunidade da educação. Além disso, abordaram a questão das Fake News e sua influência negativa no ensino e aprendizagem. Outros assuntos também foram discutidos, como: empatia; criatividade; BNCC; gamificação, bilinguismo no ensino básico, e também temas como questões sociais e mercado de trabalho.

VEJA TAMBÉM: Inscrições para quarta edição do Programa Agentes de Governo Aberto

Na contramão de qualquer cenário desfavorável, professores brasileiros têm dado bom exemplo. Na lista dos 50 melhores professores do mundo, do Global Teacher Prize 2019, considerado o Nobel da Educação, dois deles são brasileiros. E não é a primeira vez que isso acontece. O professor pernambucano Jayse Ferreira é um deles, selecionado entre 10 mil candidatos, de 179 países. Desenvolvendo produções audiovisuais com os alunos, elevou a autoestima deles e conquistou a aceitação de diferenças. Além disso, conseguiu engajamento de toda a comunidade ao redor da escola em que trabalha. Ao lado dele estava o professor Diego Lima, de escola municipal do interior de São Paulo. Ele foi eleito um dos 10 melhores profissionais na edição anterior do prêmio. No evento, contou sobre como liderou mudanças que impactaram positivamente toda a comunidade escolar onde atua.  

Eventos de educação

O HUB é realizado pelo programa bilíngue Edify, que insere o ensino da língua inglesa através de projetos em escolas pelo Brasil. Esta é a segunda edição do evento e aconteceu no espaço ExC.Rio, do Jockey Club do Rio. Eles ofereceram ambientes para a reflexão sobre empatia, criatividade e destinados a dinâmicas. Em espaços especiais, sentados em carteiras escolares, os participantes podiam ouvir um áudio com questões que os remetiam aos tempos em que eram alunos. Depois, eles podiam escrever em quadro negro memórias ou usar um caderno de caligrafia e um mimeografo.

Fotografia de uma participante do HUB19 na frente de um painel grafitado. Ela está contribuindo e fazendo uma pintura.
(Divulgação)

NÃO PERCA: Formação continuada “Educação 4.0: Atualidades Educacionais” acontece em Niterói

Outras experiências ofereciam áudios que traziam relatos de diferentes situações em que o ensino se mostrou inclusivo ou conectou diferentes realidades.  Oficinas convidavam a pôr a mão na massa e todos os presentes podiam deixar uma marca em um painel destinado a assinaturas, desenhos e grafite. Todas as palestras contaram com tradução em Libras.

Acesse o site do Edify Education para ficar por dentro de outras inovações educacionais.