Garantir educação de qualidade para todas as crianças brasileiras é o caminho mais eficiente para reduzir a enorme desigualdade de renda e oportunidades. Isso é o que Andreas Schleicher, diretor de educação e de competências da OCDE, acredita.

“Não podemos mais lidar com a desigualdade na nossa sociedade somente redistribuindo o dinheiro. Precisamos mexer nas oportunidades”, ele afirmou, segundo o jornal Valor Econômico. Schleicher ainda destacou que, para crianças de famílias mais pobres, uma escola de qualidade pode ser a única chance de sair da pobreza ao longo da vida.

“Os mais pobres não têm esse estímulo social ao aprendizado em casa. Então, a escola tem um papel muito importante”, afirmou. Por isso, a garantia do acesso à escola e o esforço de todos os atores para a permanência dos estudantes são fundamentais. A pesquisa “Engajamento Escolar”, da Galeria de Estudos e Avaliação de Iniciativas Públicas (GESTA)iniciativa, liderada pela Fundação Brava e pelo Instituto Ayrton Senna – constatou que 27% dos jovens de 15 a 17 anos não concluirá uma nova série por falta de engajamento.

A pesquisa também identificou que a probabilidade de jovens entre 15 a 17 anos frequentarem a escola é bem mais baixa em cenários de jovens de famílias chefiadas por mulheres negras analfabetas, pobres e residentes na área rural.

Formação de professores é um dos caminhos

O diretor ainda afirmou para o jornal que hoje, os desafios da formação dos professores vão além do conteúdo. Mais que investir na formação inicial dos docentes, o caminho é criar ambientes e sistemas de treinamento permanente nas escolas. Assim, as melhores práticas podem ser compartilhadas com todo o corpo docente.

Imagem do site do FAZ SENTIDO, com o título "Educação que faz sentido para os adolescentes"Nesse sentido, vale conhecer a plataforma Faz Sentido. Iniciativa dos Institutos Inspirare e Unibanco, ela compartilha estudos, recomendações, práticas e ferramentas. Com isso, seu objetivo é apoiar professores em práticas inovadoras no Ensino Fundamental e no Ensino Médio. A equipe do projeto também criou Trilhas de inovação. São guias práticos para professores, escolas e Redes construirem novas soluções para a educação. Isso, a partir de processos de escuta, cocriação e experimentação.