Curso de Extensão: Educação Libertária

O curso da FESPSP pretende analisar os modelos de educação vigentes e propor. Através de um olhar crítico e ao mesmo tempo propositivo, essa formação terá como objetivo pensarmos além da zona de conforto e da reprodução de práticas educacionais que apenas visam a obediência, o civismo e manutenção das desigualdades sociais. Abordará os conceitos de meritocracia e debateremos a doutrinação subliminar existente.

Saiba mais

Essa formação pretende abordar aspectos da atual educação dentro da legislação e metodologias aplicadas correntemente em sala de aula. A partir de uma análise crítica dos parâmetros educacionais vigentes pretendemos confrontar a educação formal como um novo olhar.

Ela trabalhará a conjuntura, a filosofia, sociologia da educação, psicanálise, afim de criarmos uma carga teórica que fundamente a possibilidade de uma contra educação possível que tenha um alcance maior na autonomia dos educandos, além de uma efetiva libertação de padrões condicionantes que nos fazem reproduzir práticas sociais como o racismo, machismo, homofobia, xenofobia entre outras práticas que a escola formal de alguma maneira permite e até estimula subliminarmente.

Para além das metodologias, essa formação pretende trabalhar ferramentas que rompam o véu da alienação e faça com que a educação seja uma forma de ruptura com a lógica dominante e perversa que domina a sociedade e se contraponha ao projeto “Escola Sem Partido”.

Programa por encontros

I – Panorama da Educação na visão dos participantes em quem faremos uma análise de dados sobre a educação formal a partir de indicadores oficiais e sistemas de avaliação do ensino, desde o pré escolar até o ensino superior. Para esse primeiro encontro não será recomendada leitura prévia de textos.

II – Revisão das principais orientações e metodologias aplicadas no Brasil nas redes de ensino. Abordaremos Pedagogos e pensadores como Jean Piaget, Wallon, Vygotsky, Waldof, Montessori e faremos paralelos com os Educadores Paulo Freire, Anísio Teixeira, Makarenko, Bell Hooks, Krupskaya, entre outros educadores e educadoras Também abordaremos nesse encontro aspectos históricos e sociológicos do Brasil e do mundo que influenciam diretamente nas metodologias educacionais.

III – A psicanálise na educação. Trataremos da desmistificação de alguns paradigmas relacionados ao ser humano e suas interações com a sociedade, família e escola. A partir de escritos de Sigmund Freud, Teodore Adorno, Angela Davis, Judith Butler, Michel Foucault, Herbert Marcuse, analisaremos a constituição da consciência, a coletividade e traremos a experiência do nazi/fascismo com anuência da sociedade e da comunidade científica, além da medicalização em ambiente escolar.

IV – A partir da filosofia da Educação trazendo aspectos desde Jean Jacques Rousseau até o filósofo espanhol Ortega y Gasset, do sociólogo francês Loius Altusser chegaremos na Pedagogia do Oprimido, da Liberdade e da Autonomia do Educador Paulo Freire. Serão analisadas as raízes e desdobramentos históricos que moldaram a educação no Brasil. Daremos ênfase nas metodologias aplicadas e proibidas, sobretudo em períodos de exceção e em regimes totalitários.

V – Será abordado o papel da arte na educação desde a sua utilização como ferramenta de sensibilização estética que auxilia nos processos cognitivos, como também no aguçamento do olhar crítico. Dentro do espectro social trataremos do papel da arte na distinção social e a sua utilização como mecanismo de dominação cultural. Por fim adentraremos no papel histórico da arte dentro dos Direitos Humanos.

VI – Educação e Direitos Humanos. O histórico sobre os DH no Brasil será abordado, o papel da mídia na consolidação de uma visão deturpada por parte da sociedade em relação aos Direitos Humanos e sua influência direta dentro das famílias e na escola. Faremos uma análise dos condicionamentos e violações que ocorrem diuturnamente nos ambientes escolares e o quanto são minimizados pela escola.

VII – Será feito um paralelo entre uma Educação Libertária e o Projeto “Escola Sem Partido”, em tramitação no Congresso Nacional. Faremos uma análise comparativa entre uma Pedagogia Crítica e a “Pedagogia da Prosperidade” em sua acepção individualista e ligada ao civismo e obediência, resquícios da Ditadura Militar isntaurada por mais de vinte e um anos no Brasil através das disciplinas de E.M.C – Educação Mora e Cívica e O.S.P.B – Organização Social e Política Brasileira.

VIII – Avaliação dos trabalhos em grupo em quem traremos ao final da formação, propostas efetivas de ruptura a partir das possibilidades legais e o quanto uma mudança de postura do corpo docente,ordenação pedagógica, direção e efetivas políticas públicas que possam vislumbrar um novo olhar para a Educação no Brasil.

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *