Publicado em Deixe um comentário

Vídeo do CanalBloom aborda Inteligência Emocional para crianças

Imagem do vídeo do CanalBloom, com um fundo branco onde a especialista está falando. Há uma borda e um símbolo de "play" no centro da imagem, ambos na cor lilás.

O CanalBloom é uma startup de impacto social que acredita que a educação parental é chave no desenvolvimento de uma sociedade saudável. Pensando nisso, eles criaram a TVBloom, uma série de vídeos onde, em menos de 2 minutos, especialistas colaboram com orientações úteis para o dia a dia.

OLHA SÓ: Educação mais humana: o que são competências socioemocionais?

Esse projeto é uma parceria com o Kids in the House, plataforma norte-americana que também apoia pais e mães no cuidado com seus filhos. A equipe do CanalBloom traduziu esse material e a primeira especialista é a Dra. Laura Markham, onde ela fala sobre Inteligência Emocional para crianças.

Inteligência Emocional para crianças

“Você pode começar ensinando inteligência emocional para crianças pequenas ao nomear os sentimentos”, conta a especialista no vídeo. “Você pode dizer: ‘Você está tão bravo!’ e então o seu filho pensa: ‘Existe um nome para o que está acontecendo comigo aqui. E meu pai nem sente medo disso! Ele parece pensar que tudo bem e talvez isso também pode acontecer com outras pessoas’. E, de repente, seu filho ganha um controle muito maior sobre as próprias emoções”. 

SAIBA MAIS: A criança não sai da TV, nem larga o celular? SOS CanalBloom!

Eles já abordaram também temas sobre raiva, disciplina, responsabilidade, organização e muito mais. Acesse o site do CanalBLoom para fazer parte das assinaturas e acessar o material.

Publicado em Deixe um comentário

Jornada de Férias do Canalbloom: últimos dias!

Ilustração de um adulto ajoelhado, entregando um carrinho de brinquedo para uma criança. O fundo é roxo.

O CanalBloom organizou uma Jornada de Férias para crianças e suas famílias. Nela, eles organizaram várias atividades interessantes para aproveitar ao máximo esse tempo juntos. E, é claro, também desenvolver habilidades socioemocionais muito importantes. 

LEIA MAIS: A criança não sai da TV, nem larga o celular? SOS CanalBloom!

Calendário com os dias de janeiro e dezembro, com as datas das atividades. O texto está em branco e o fundo da imagem é roxo.

Esse período já está quase acabando. Então, nós separamos as últimas atividades oferecidas para ninguém ficar de fora dessa jornada. Olha só: 

08/01 – O macaco mandou… Fazer o quê? Pular em um pé só, rolar pelo chão ou até dar uma cambalhota! Seja criativo e divirta-se com o seu filho!

09/01 – História: A lenda da Vitória Régia. Que tal uma brincadeira com lanternas depois de uma história bem divertida? Convide seu filho pra ouvir!

10/01 – Caminhem pela casa como uma tartaruga!
 
11/01 – Obstáculos de fita crepe: O que dá pra fazer com esse simples material? Muitas coisas! 

12/01 – O rei silencioso: O silêncio é um desafio para o seu filho? Essa brincadeira vai ajudá-lo!

Saiba mais informações sobre a Jornada e a iniciativa no site do Canalbloom

Publicado em Deixe um comentário

Como lidar com a birra? SOS CanalBloom!

Uma criança pequena ainda não desenvolveu a capacidade suficiente em seu cérebro para lidar com as emoções, principalmente quando está frustrada. Isso significa que ela ainda não tem recursos para regular a atitude que vai ter diante dessas emoções. Por isso, ela reage gritando, batendo, se jogando no chão… Veja como ajudá-la a desenvolver essa capacidade de autorregulação, tão importante!

A criança não te escuta? SOS CanalBloom!

Antes de agir, você precisa estar calmo

É um desafio, mas tente respirar profundamente e devagar. Poucos segundos já são muito potentes. A criança só vai conseguir se acalmar se você também estiver calmo. Ele se assusta com a intensidade de todas essas emoções e precisa de você para se sentir segura diante de tudo isso. Por isso, se o coração acelerou com o estresse, você pode ir lavar o rosto e só depois tome uma atitude.

Garanta a segurança

A criança pode querer bater ou arremessar objetos, como um jeito de se defender dessas emoções tão desconfortáveis. Você vai querer dizer que ela não pode bater, mas nesse primeiro momento a conversa não é uma boa estratégia. A parte reativa do cérebro da criança está em ação e isso significa que ela não vai conseguir entender o que você diz. Então, garanta que a criança não vai se machucar e nem machucar alguém. Tire os objetos perigosos do alcance e garanta um ambiente seguro.

Acolha a criança

Ela só vai te escutar quando o cérebro dela deixar de operar a partir desse estado reativo. Tenha paciência e dê um tempo para essa reação passar. Para isso, conecte-se com a criança. Seja carinhoso. Quando você a acolhe, você o ajuda a acalmar essa parte reativa do cérebro. O que ela precisa é um contato amoroso, mais do que palavras. Experimente um abraço, sempre respeitando o espaço dela. Se ela não quiser, esteja por perto. Isso fará ela se sentir segura. Quando ela estiver mais calma, vocês poderão conversar.

Aceite a emoção, não a atitude

Ajude a criança a perceber a diferença entre o que ela sentiu e o que ela fez. Todas as emoções são naturais, mas não é toda atitude que é aceitável. Você pode dizer: “Eu entendo que você ficou tão bravo que quis quebrar o brinquedo. Mas você não pode destruir o brinquedo. Vamos pensar em outra forma de expressar a sua raiva?”. É importante que você a ajude a encontrar soluções mais saudáveis para lidar com essa emoção. Pode ser batendo em um travesseiro, assim ninguém se machuca.

Tenha paciência e lembre que a criança está aprendendo a lidar com o que sente. Para conferir o SOS completo sobre esse tema, acesse: https://canalbloom.com/sos/lidando_com_a_birra.

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

A criança não te escuta? SOS CanalBloom!

Ilustração de uma criança brincando com blocos coloridos sentada no chão. Em cima dela, há balões de falas.

Ilustração de uma criança brincando com blocos coloridos sentada no chão. Em cima dela, há balões de falas.

Uma das perguntas mais comuns entre pais é: “Como faço para o meu filho me escutar?”. Você chama o seu filho para almoçar, então ele continua brincando e parece que nem ouviu o que você disse? Na maioria das vezes, a criança fica totalmente entregue ao faz-de-conta que cria e, sem intenção, acaba não respondendo ao chamado dos pais. Outras vezes ela até te escuta, mas não faz o que você pede, não é? Confira o que fazer.

LEIA MAIS: A criança não sai da TV, nem larga o celular? SOS CanalBloom!

Certifique-se de que você é um bom ouvinte

Quando uma criança não se sente ouvida, ela tende a reclamar, gritar ou fazer aquela birra, além de não querer te escutar nas próximas situações. Com uma escuta cuidadosa, você mostra ao à criança que respeita o que ela tem a dizer e dá o exemplo. Se seu filho te chamar e você não puder parar o que está fazendo para escutá-lo, você sempre pode dizer: “Filho, eu quero escutar o que você tem para me dizer, mas preciso de alguns minutos para terminar de escrever essa mensagem, tá bom?”.

Tente perceber no que ela está prestando atenção

Imagine que você está ocupado, fazendo algo importante. Seu amigo então faz um pedido: que você pare imediatamente o que está fazendo e faça outra coisa, que não é a sua prioridade nesse momento. Como você se sentiria? Às vezes, até os adultos não querem escutar. Colocar-se no lugar da criança e tentar compreender que no que ela está atenta é importante para facilitar a comunicação entre vocês. Tente algo como: “Sei que essa brincadeira está legal e que você não quer parar de brincar agora. Mas, preciso que você me ajude a encontrar a sua camiseta para podermos ir para a escola”.

VEJA TAMBÉM: Brincadeiras sensoriais para crianças maiores de 2 anos

Tenha a atenção da criança

Atender a um pedido é mais complexo do que parece. Primeiro, a criança precisa escutar o pedido, depois memorizá-lo e então fazer a conexão entre o pedido e o movimento que ela fará. Não adianta chamar insistentemente, nem gritar. Ajoelhe, desça até a altura dela e a toque com leveza. Olhe-a nos olhos, chame-a e espere até que ela também esteja olhando para você. Então, comece a falar. Se você não pode fazer isso por algum motivo, porque está no carro por exemplo, certifique-se de ter sua atenção. Pergunte algo como: “Filho, posso te dizer uma coisa?”. Seja breve e evite frases longas.

Sempre que puder, torne os momentos de conversa algo prazeroso para vocês. Assim, quando você precisar orientá-la, ela estará mais disposta a te ouvir. Para conferir o SOS completo sobre esse tema, acesse: https://canalbloom.com/sos/a_crianca_nao_me_escuta

 

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

A criança mordeu? SOS CanalBloom!

Ilustração de duas crianças. Uma delas está mordendo o braço da outra, que está chorando.

Alguns bebês e crianças pequenas sentem uma forte necessidade de morder. Eles ainda não conseguem se expressar muitos bem com as palavras, então a mordida pode ser uma forma de comunicação. Quando o bebê sente raiva, ele pode morder para expressar essa emoção. Ou se precisa de um certo espaço e, inclusive, para demonstrar afeto. Na amamentação ou quando os dentes começam a nascer, as mordidas podem ser mais frequentes. Infelizmente, a criança não sabe o quanto isso dói. Saiba como lidar!

Ilustração de duas crianças. Uma delas está mordendo o braço da outra, que está chorando.

Proteja as crianças

O primeiro passo é garantir a segurança das crianças. Se uma criança vai morder a outra, não hesite: separe as duas crianças e evite que elas se machuquem. E vale para você também: se proteja. Mas vá com calma e não grite. Quando você grita, a criança se assusta e isso piora a situação.

LEIA MAIS: Hora de ir à escola e a criança não quer sair da cama? SOS CanalBloom!

Agressividade gera agressividade

Se a mordida aconteceu, não fique bravo, não grite, não castigue, não faça o bebê morder alguma coisa com gosto ruim e nem morda ele de volta. Ao contrário, seja honesto e diga o quanto isso dói. A criança percebe a sua sinceridade e muitas vezes para de morder imediatamente. E se a mordida foi em outra criança que está chorando, mostre que é porque ela está sentindo dor. Mesmo pequenos, os bebês conseguem entender que o choro acontece quando estamos chateados ou sentindo dor.

Incentive a empatia

Se for apropriado, pergunte se a criança gostaria de cuidar do amigo machucado. É importante que ela reconheça que o amigo precisa de cuidado e que ela pode ajudá-lo. Ela pode te ajudar a segurar a pomada enquanto você cuida da criança. Dessa forma, você a ensina sobre o efeito das próprias ações e a ajuda a desenvolver a habilidade de empatia.

VEJA TAMBÉM: A criança não sai da TV, nem larga o celular? SOS CanalBloom!

Nomeie os sentimentos

Esse é o primeiro passo para a criança aprender formas mais saudáveis de expressar seus sentimentos. Você pode dizer: “Percebi que você está triste porque não pode brincar com o que queria. Mas esse brinquedo está com seu amigo e ele não quer te emprestar agora. Às vezes, você também não gosta de emprestar, não é? Vamos encontrar outra brincadeira pra você”.

Quando você conversa com a criança, você a ajuda a encontrar outras formas de se expressar. Ensine-a a colocar limites usando palavras simples, como “não”, “pare” e “não quero”. Assim, ela ganha recursos para se comunicar sem as mordidas. Para conferir o SOS completo sobre esse tema, acesse: https://canalbloom.com/sos/criancas_que_mordem

 

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

Xixi na cama? SOS CanalBloom!

Ilustração de um personagem deitado na cama, com uma expressão preocupada.

Ilustração de um personagem deitado na cama, com uma expressão preocupada.

É normal que as crianças pequenas façam xixi na cama. Isso acontece porque a bexiga da criança pode ainda não estar desenvolvida o suficiente para armazenar o que precisa durante à noite. Ou então, pode ser que ela durma um sono muito profundo e ainda não consiga despertar para ir ao banheiro. A boa notícia é isso se transforma conforme a criança cresce. Enquanto isso, veja o que fazer!

Acolha as emoções da criança 

O xixi na cama não acontece porque a criança é preguiçosa ou desobediente. É uma atividade inconsciente, que ocorre sem querer. Por mais que seja cansativo para os pais, a criança é quem normalmente mais sofre com a situação. Se você conseguir mostrar que entende como ela se sente, você a ajudará a não se sentir culpada e a entender a situação como algo normal, que ela será capaz de superar. Isso é fundamental para que ela passe por este desafio de forma saudável. Por isso, seja acolhedor. Com um tom de voz tranquilo, você pode dizer: “Puxa, filho, incomoda mesmo quando acordamos molhados assim… Mas isso acontece. Na sua idade, isso é comum. É difícil perceber o xixi enquanto estamos dormindo, por isso às vezes escapa. Está tudo bem. Agora vamos trocar essa roupa e voltar a dormir? Que tal se você me ajudar a pegar um outro pijama?”.

LEIA MAIS: Hora de ir à escola e a criança não quer sair da cama? SOS CanalBloom!

Esvazie a bexiga antes de dormir

Pelo menos 1 hora antes de dormir, ajude a criança a não beber líquidos. Tente se programar para dar o leite ou a água antes disso. Isso vai ajudar a diminuir a quantidade de urina produzida à noite e, com isso, as chances de escapar xixi enquanto ela estiver dormindo. Leve-a ao banheiro pelo menos duas vezes antes de ir para a cama: uma vez no início da rotina para dormir e mais uma antes de apagar as luzes. Nessa hora, você pode levá-la no colo e deixar o banheiro com pouca luz, para não agitar a criança que se prepara para dormir.

VEJA TAMBÉM: A criança não sai da TV, nem larga o celular? SOS CanalBloom!

Não acorde a criança à noite

Acordar a criança reforça o hábito dela fazer xixi enquanto dorme e a responsabilidade de permanecer seca acaba sendo transferida da criança para os seus cuidadores. 

Se a criança já aprendeu a controlar o xixi na cama há mais de seis meses, mas o xixi volta a escapar, isso pode estar acontecendo por alguma situação de estresse: a separação dos pais, algo na escola ou até o nascimento de um irmão. Converse com a criança sobre seus desafios e acolha essas emoções. E se ela tiver mais de 5 anos, o recomendado é consultar um pediatra ou nefrologista pediátrico para avaliar o que pode estar contribuindo para o xixi na cama. Para conferir o SOS completo sobre esse tema, acesse: https://canalbloom.com/sos/_a_crianca_faz_xixi_na_cama

 

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

A criança não sai da TV, nem larga o celular? SOS CanalBloom!

Ilustração de uma criança de costas, sentada olhando para a TV

Ilustração de uma criança de costas, sentada olhando para a TV

Seu filho adora assistir à televisão ou pede o tempo todo para usar o celular? Quando você tenta colocar um limite, começa aquela disputa? Apesar de serem hábitos comuns, é importante que você tente regular a exposição às telas em até uma hora por dia. Caso contrário, podem aparecer problemas de sono, comportamento e inclusive há riscos de diabetes e obesidade. Saiba o que fazer!

Preste atenção aos seus próprios hábitos 

Você é o maior exemplo para o seu filho. Se você gosta de passar horas assistindo à televisão ou fica muito tempo usando o celular, provavelmente seu filho vai querer fazer o mesmo. Portanto, comece a mudança por você. Quando estiver com a família, evite as telas. Você inclusive pode compartilhar as dificuldades com o seu filho, dizendo algo como: “Eu recebi uma mensagem no celular e queria responder… Mas, como estamos almoçando, vou deixar pra depois, porque é ótimo quando almoçamos juntos e o celular atrapalha a nossa conversa”.

Organize a rotina 

Como está o seu dia a dia? Sobra tempo para você mesmo? Muitas vezes, a televisão se torna um recurso para entreter as crianças quando o adulto está sobrecarregado e precisando de “tempo para respirar”. Reveja suas atividades e tente reservar um momento da rotina só para você, mesmo se for por alguns minutos. Faça algo que goste ou simplesmente descanse! 

Acolha as emoções da criança

Ninguém gosta de deixar de fazer algo prazeroso, não é? Por isso, acolha às eventuais reações que ela tiver e explique o motivo da mudança. Você pode dizer: “Filho, eu entendo que você quer ver o filme até o final. Eu também não gosto quando tenho que parar de assistir a uma história no meio. Mas, agora precisamos relaxar para ir dormir e a TV nos deixa muito agitados, por isso precisamos desligá-la. Amanhã continuamos!”.

Planeje a mudança em etapas

Se todo dia seu filho passa horas na televisão, provavelmente vai ser difícil deixar de fazer isso de um dia para o outro. Toda mudança de hábito é um processo e por isso é importante realizá-la em etapas. Experimente começar reduzindo o tempo: se ele costuma passar 3 horas por dia na TV, experimente diminuir para 2h30. 

Fazer combinados a partir da quantidade de programas também facilita, porque a criança não precisa deixar de assistir ao programa bem na parte que estava tão interessante! E não esqueça do principal: ofereça alternativas, como áudio-livros infantis ou uma brincadeira gostosa na natureza. Para conferir o SOS completo sobre esse tema, acesse: https://canalbloom.com/sos/meu_filho_nao_sai_da_tv_nem_larga_o_celular

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

Primeiros dias da criança na escola? SOS CanalBloom!

Ilustração de um adulto ajudando uma criança

Ilustração de um adulto ajudando uma criança

É natural que a criança estranhe o novo ambiente, sinta ansiedade ao se separar dos pais, chore ou não queira ficar na escola o tempo todo. Portanto, por mais sociável ou independente que seu filho seja com a família ou em outros ambientes sociais, muitas emoções podem surgir nesse processo de adaptação e é importante que você tenha paciência.

Reforce o vínculo entre vocês e facilite a conexão com a professora

Durante essa fase, é importante estar presente e brincar com o seu filho, com um tempo especial durante o dia por exemplo. Além disso, as crianças precisam se sentir seguras com o adulto que cuidará delas na escola. Mas, confiança é algo que adquirimos aos poucos. Coloque-se no lugar da criança. Ela pode se sentir insegura por uma razão legítima: está em um lugar novo, com pessoas que não conhece e – talvez pela primeira vez – sem a sua proteção. A sua calma e confiança nessa relação será essencial para que seu filho se sinta seguro. Se surgirem olhares apreensivos ou lágrimas, não o distraia. Em vez disso, acolha essa insegurança: “Filho, eu sei que é muita novidade e às vezes sentimos medo. Mas fique tranquilo, você está seguro aqui e vai ver que essa nova rotina vai ser bem divertida. Sempre que precisar, você pode pedir ajuda para a professora, que vai cuidar de você todo o tempo que estiver aqui. Volto para te buscar assim que a escola terminar e depois vamos ficar juntos!”.

Ofereça algo familiar

Permita que seu filho leve um brinquedo, um livro ou aquele pano que tanto gosta para escola nestes primeiros dias. Mesmo se ele precisar ou quiser guardar na mochila ao chegar lá. Os objetos familiares ajudam a criança a se sentir mais segura, principalmente em um ambiente novo. Você também pode imprimir uma foto da família e propor que seu filho a leve na mochila.

Sempre se despeça e crie rituais

Tudo bem deixar seu filho ocupado com alguma atividade e sair em silêncio, mas nunca saia sem se despedir. Por mais difícil que seja a despedida, deixe claro que você está indo embora e que vai voltar para buscá-lo ao final do período. Isso fortalecerá a confiança e ele saberá que você jamais vai desaparecer sem avisar. Estabelecer rituais também pode ajudar. Pode ser um simples abraço ou a cantoria de uma música na caminhada até a escola. A repetição de uma mesma atividade será reconfortante para vocês dois.

A adaptação à escola é um processo. Por isso, respire fundo, lembre-se do valor que essas interações e aprendizados trarão para a vida da criança. E converse com a equipe da escola sempre que precisar. Para conferir o SOS completo no CanalBloom, acesse: https://canalbloom.com/sos/o_primeiro_dia_na_escola

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

A criança não quer compartilhar? SOS CanalBloom!

Ilustração de duas crianças disputando por um brinquedo para o post: A criança não quer compartilhar? SOS CanalBloom!

Quando duas crianças querem o mesmo brinquedo, é comum que o adulto tente resolver a situação dizendo que o tempo da criança com o brinquedo acabou e é a vez da outra brincar. Se a criança resiste, ele a força a entregar. Ou tira o brinquedo de cena e diz que ninguém mais brinca. Mas essas estratégias costumam deixar a criança chateada, aumentam as reações agressivas e inclusive a competição entre as crianças. Por isso, entenda quais as estratégias mais saudáveis!

Ilustração de duas crianças disputando por um brinquedo para o post: A criança não quer compartilhar? SOS CanalBloom!

Tenha empatia

Ajude a criança a lidar com as emoções que está sentindo. Ela não quer compartilhar? Tenha paciência e respeite a vontade que ela tem de permanecer mais tempo com o brinquedo. Tente olhar a situação pela perspectiva dela: aquela brincadeira deve estar muito divertida! As pesquisas mostram que as crianças que recebem acolhimento dos pais para lidar com as próprias emoções são as primeiras a desenvolver empatia, que é a capacidade de se colocar no lugar dos outros. E a empatia é a chave para qualquer tipo de interação social, inclusive para compartilhar!

Ajude a escolher o que ela quer compartilhar

Nos dias de visita, antecipe para a criança que um amigo vem brincar em casa e, antes dele chegar, a ajude a identificar os brinquedos que ela quer compartilhar e quais não quer. Junto com ela, separe os brinquedos preferidos em um lugar protegido, que pode ser uma caixa ou uma prateleira alta. Assim, aquele brinquedo especial fica seguro e a criança não precisa se preocupar. Se a criança ainda for muito pequena, você pode selecionar os brinquedos e guardá-los por ela. Além disso, você pode prevenir disputas ao se preparar e disponibilizar um objeto para cada sempre que for possível: se elas querem desenhar, separe os gizes de cera em dois potes diferentes!

Faça combinados

Combine entre todos como a brincadeira vai funcionar. Se você vai começar uma brincadeira com duas crianças, você pode explicar que quando duas pessoas querem um brinquedo na mesma hora, cada uma fica com ele no tempo de uma música, por exemplo. Ou que na hora da brincadeira aquele brinquedo preferido vai ficar guardado em um lugar especial. Ou ainda que nessa brincadeira vai ter uma bola e todo mundo precisa passar a bola para o amigo, não vale ficar com ela na mão. Durante a brincadeira, relembre o combinado feito previamente.

Com paciência, vá mostrando à criança porquê compartilhar é importante: o amigo fica feliz de brincar ou um jogo em grupo pode acontecer, por exemplo. Para conferir o SOS completo no CanalBloom, acesse: https://canalbloom.com/sos/ajudando_a_crianca_a_dividir

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

 

Publicado em Deixe um comentário

Hora de ir à escola e a criança não quer sair da cama? SOS CanalBloom!

Ilutração de criança abocejando para o post: a criança não quer sair da cama

Se você tem filhos que vão à escola pela manhã, talvez em alguns dias seja mais difícil sair de casa. Ou mesmo naquele dia em que vocês precisam acordar mais cedo para ir ao médico. A criança não quer cooperar, você fica nervoso porque precisa chegar no horário e vira aquele corre-corre matinal? Ninguém gosta de começar o dia dessa maneira! Conheça algumas orientações que podem te ajudar a tornar esse momento mais tranquilo.

Ilutração de criança abocejando para o post: a criança não quer sair da cama

Esteja pronto antes do seu filho

É mais fácil ajudar seu filho de manhã se você já estiver de pé e preparado para o seu dia. Quanto mais nova for a criança, mais importante é esse passo. Procure planejar 15 minutos extras em sua agenda matinal. Além disso, tente não ter horários muito apertados, assim, se as coisas não acontecerem como o planejado, você tem um tempo a mais para cuidar dos imprevistos.

Conecte-se com seu filho logo cedo

Essa é a sua tarefa principal: quando a criança se sente conectada com você, ela fica mais disposta a escutar o que você tem a dizer e a cooperar com você. Para isso, uma boa dica é transformar as atividades matinais em momentos de diversão em família. Enquanto prepara o café-da-manhã, você pode arrumar os alimentos de forma divertida, fazendo desenhos com eles. Cante músicas que seu filho conheça, para que ele possa te acompanhar se quiser. Ou então deite-se com ele na cama, abrace-o e faça cosquinhas! Poucos minutos já mudarão o dia de vocês.

Prepare-se na noite anterior

Organize o que puder na noite anterior. Roupas, mochilas, lanches, café-da-manhã…. Quaisquer materiais e atividades que possam ser preparados antes de ir para a cama vão facilitar o dia seguinte. Envolva seu filho nesse processo: ele pode escolher a roupa que irá vestir pela manhã ou então o lanche que vai comer no dia seguinte.

Valorize o brincar livre durante o dia

Verifique a rotina do seu filho: algumas crianças podem estar sobrecarregadas com muitas atividades no dia a dia e se frustram com a perspectiva de sair de casa logo cedo, sem ter tempo de brincar. Por isso, reserve um momento na rotina exclusivamente para a brincadeira livre, para que a criança possa fazer aquilo que ela tem vontade: inclusive, descansar um pouco.

É muito importante que a criança durma o suficiente para estar disposta pela manhã, e a quantidade de horas varia conforme a idade. Para saber mais sobre o que os especialistas recomendam para o seu filho, acesse: https://canalbloom.com/jornadas/sono/sessoes/_a_importancia_da_rotina_na_hora_do_sono e para conferir o SOS completo sobre esse tema no CanalBloom, acesse: https://canalbloom.com/sos/E_hora_de_sair_de_casa_de_manha_e_meu_filho_nao_coopera

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

A criança não coopera? SOS CanalBloom!

Ilustração para falar sobre A criança não coopera. Nela, a sala está bagunçada e pai e filho estão brigando

Você pediu ajuda para arrumar a bagunça da sala e seu filho simplesmente saiu, deixando você falando sozinho? Ou ele bateu o pé e disse que não ia arrumar? Mais cedo ou mais tarde, existem situações em que seu filho não vai querer cooperar. Antes de tudo, respire fundo e recupere a calma. Em vez de querer controlar a criança, tente entender: como será que você pode ajudá-la a cooperar? O CanalBloom criou um material para apoiar familiares no desenvolvimento de crianças:

Ilustração para falar sobre A criança não coopera. Nela, a sala está bagunçada e pai e filho estão brigando

Acolha as necessidades por trás da atitude

Imagine que você pede que a criança organize os blocos de brinquedo espalhados pelo chão. Ela começa aquela disputa e arremessa um dos blocos na parede. Por que será que ela fez isso? Ela pode estar chateada porque dedicou um enorme tempo para construir um castelo tão alto e agora terá que desmanchá-lo para guardar os blocos. Quando você compreende o sentimento por trás do que ela fez, você pode orientá-la de uma maneira mais eficiente, facilitando a cooperação. Experimente dizer: “Filho, eu acho que você ficou chateado porque não quer desmontar o castelo que fez com tanto esforço, foi isso? Tudo bem ficar chateado, mas jogar o bloco na parede pode machucar alguém e estragar a parede, por isso não fazemos isso. Que tal se deixarmos o castelo montado e guardarmos o resto dos blocos?”.

Use a imaginação para transformar as tarefas em momentos divertidos

Tanto para a criança, quanto para você. Escovar os dentes é um momento difícil? Você pode desafiar o seu filho a ouvir o barulho da escova quando toca no dente, quem sabe até criando uma música enquanto fazem isso. E se o banho for uma batalha? Que tal se no caminho até o chuveiro vocês fizerem de conta que são um animal divertido e caminharem como esse animal até lá?

Ofereça opções para que ela possa participar

Tomar vacina não vai ser agradável de nenhum jeito. Mas seu filho pelo menos pode escolher em qual braço prefere tomar a injeção, por exemplo. Oferecer a possibilidade da criança escolher entre duas ou três opções definidas por você ajuda bastante na cooperação. Por isso, se é hora de preparar o almoço e você quer que ela coma um legume. Deixe-a escolher se vai ser brócolis ou beterraba, se são essas as opções que você tem em casa. E se é hora de dormir e ela não quer guardar os brinquedos, você não precisa permitir, mas você pode sugerir que ela escolha entre guardar os brinquedos sozinha ou receber a sua ajuda para isso.

Lembre de valorizar as atitudes da criança no dia a dia e estar presente! A chave da cooperação é a conexão com você. Para conferir o SOS completo sobre esse tema no CanalBloom, acesse “Meu filho não quer cooperar. O que eu faço?”. 

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com

Publicado em Deixe um comentário

O que fazer quando a criança mente? SOS CanalBloom!

O que fazer quando a criança mente? É comum que crianças já com 2 anos comecem a mentir sobre algo que fizeram e sabem que não foi legal. Fazem isso principalmente porque não querem nos decepcionar. Depois, podem criar mentiras para beneficiar outras pessoas ou não machucar aqueles de quem gostam. Como lidar?

O que fazer quando a criança mente?

Adultos também mentem

Pouco a pouco, ensinamos às crianças que a honestidade nem sempre é o melhor caminho: quando você fala que adorou o presente à pessoa quem te deu, e depois comenta na frente da criança que não gostou, você mostra que as mentiras fazem parte da vida – e que, inclusive, às vezes mentir é a melhor opção. Então em vez de exigir que ela não minta NUNCA, observe as suas atitudes. Vai ser mais fácil evitar contradições!

Entenda os sentimentos por trás da mentira

As crianças não querem nos decepcionar, mas continuam querendo o que querem: então desejam que as DUAS coisas sejam verdade! Seu filho quer continuar brincando na hora em que deveria lavar as mãos, mas quer ter lavado as mãos como você pediu. Então tente se colocar no lugar dele e reflita: o que será que ele ganha com essa mentira? Será que tem a sua aprovação? Ou quer mostrar para você que consegue, por isso diz que sabe ler quando ainda não faz isso? Ou quer proteger um amigo que gosta? Entender os sentimentos por trás da mentira vai te ajudar a orientá-lo com mais carinho.

Acolha a criança, mesmo se você não gostou do que ela fez

Em vez de culpá-la, acolha a necessidade por trás da mentira e mostre que, independente da atitude, ela sempre será digna do seu amor. Se você acha que ela está com medo de dizer que quebrou o copo porque você costuma reagir gritando, que tal dizer: “Filho, eu sei que às vezes fico bravo quando isso acontece, porque gosto muito desses copos, mas sei também que você não fez por querer! Então fique tranquilo. Vamos usar aquele que não quebra? Assim evitamos mais acidentes”.

Assegure a criança que ela não vai ter problemas se contar a verdade

A mentira é muito mais comum entre crianças que são punidas, porque elas acabam mentindo para evitar o castigo ou aquela conversa desagradável sobre como deveria se comportar. Então observe como você estabelece limites: se a mentira é a única maneira da criança escapar da nossa raiva, das broncas e dos castigos, ela provavelmente vai narrar uma versão diferente daquela que envolve a responsabilidade dela na história!

Com paciência, logo as crianças desenvolvem a segurança que precisam para dizer a verdade! Para conferir o SOS completo sobre esse tema no CanalBloom, acesse: https://canalbloom.com/sos/meu_filho_mentiu_pra_mim

O CanalBloom é uma plataforma que traz ferramentas para apoiar pais e mães nos desafios da parentalidade, buscando uma infância mais saudável com base em orientações de especialistas e um conhecimento qualificado. Acesse através do: www.canalbloom.com